Procure no JP

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Monte Azul Campeão da Série A2 2009

Olá,

No último domingo pela manhã, foi realizado o jogo de volta da decisão do Campeonato Paulista da Série A2 e, mais uma vez, o JOGOS PERDIDOS compareceu com o objetivo de acompanhar ao vivo a definição do Campeão de uma competição tão importante como essa, que abre as portas à elite do futebol paulista.

A minha viagem começou na noite do sábado e se estendeu durante a madrugada do domingo, sendo que depois de mais de seis horas de estrada, finalmente cheguei ao meu destino que era a pequena, mas acolhedora cidade de Monte Azul Paulista, distante 412 km da Capital. Após um breve descanso num hotel da cidade, segui até o Estádio AMA, local da realização da partida decisiva entre o A. Monte Azul contra o Rio Branco E.C. Vale ressaltar que essa foi a primeira vez que o JP esteve em Monte Azul Paulista.


Fachada do Estádio AMA. Foto: Orlando Lacanna.

Minha jornada teve início com um fato curioso, pois quando estava embarcando em São Paulo, notei um senhor com uma caixa de papelão nas mãos, tentando convencer o motorista do ônibus a levar tal caixa até Monte Azul, para ser entregue a uma pessoa ligada ao time local. Achei aquela conversa curiosa e acabei comentando com o senhor que eu estava indo até aquela cidade para cobrir o jogo para o JP e aí foi aquele alívio para ele, que na verdade era um representante do fornecedor de material esportivo que veste o Monte Azul e, naquela caixa, estavam os pares de meias que iriam ser usadas no jogo da manhã seguinte. Resumo da história, as meias usadas pelos atletas do Monte Azul foram levadas pelo blog.

Bem, voltando ao domingo pela manhã, ao chegar no estádio fui muito bem recebido pelo pessoal do Monte Azul que não se cansava de me agradecer por ter levado as tais meias. Depois dos cumprimentos e dos agradecimentos, fui fazer a foto dos troféus e, em seguida me posicionei à beira do gramado, aguardando a entrada das equipes e do quarteto de arbitragem para fazer as tradicionais fotos dos participantes da partida, as quais estão abaixo:


Troféus de Campeão e Vice-Campeão. Foto: Orlando Lacanna.


A. Monte Azul - Monte Azul Paulista /SP. Foto: Orlando Lacanna.


Rio Branco E.C. - Americana/SP. Foto: Orlando Lacanna.


Quarteto de arbitragem com o árbitro Marcelo Rogério, os assistentes Maria Eliza Correia Barbosa e Luis Alexandre Nilsen e o quarto árbitro Sérgio da Rocha Gomes junto com os capitães dos times. Foto: Orlando Lacanna.

A bola começou a rolar e de imediato o Monte Azul assumiu as rédeas da partida, até porque, somente a vitória lhe daria o título, pois havia sido derrotado no jogo de ida realizado na semana anterior em Americana. Logo aos 4 minutos, o avante Jales mandou de cabeça uma bola contra o poste esquerdo da meta defendida por Cristiano, incendiando ainda mais a torcida local que compareceu em massa.


Bola se chocando contra o poste após cabeçada do avante Jales no início da partida. Foto: Orlando Lacanna.

A galera local não parava um segundo de incentivar sua equipe, que fazia uma verdadeira blitz contra a defesa do Rio Branco. Nessa toada, aos 6 minutos, o Monte Azul chegou perto novamente de abrir a contagem, agora nos pés de Marcelinho, que só não conseguiu o seu intento por conta de uma defesa milagrosa do goleiro americanense Cristiano.


Goleiro Cristiano no chão após praticar milagrosa defesa. Foto: Orlando Lacanna.

Até os primeiros vinte minutos só deu Monte Azul, porém, com o passar do tempo, o Rio Branco foi esfriando o ritmo da partida e, aos poucos foi segurando o ímpeto inicial do Monte Azul. Após um período de equilíbrio, o Monte Azul voltou a forçar as jogas ofensivas e, numa dessas, chegou ao seu gol inaugural, aos 35 minutos, anotado por Bruno ao concluir uma jogada que nasceu na ponta-esquerda.

A plateia fez uma festa incrível, mas a decepção não demorou muito a chegar, uma vez que, aos 37 minutos, os visitantes chegaram ao empate num gol contra marcado por André Bilinha, que foi infeliz ao tentar interceptar um tiro cruzado de Carlinhos, fazendo a alegria dos seus quase 200 torcedores presentes.


Gol de empate do Rio Branco marcado contra por André Bilinha. Foto: Orlando Lacanna.

Mesmo tendo sofrido o impacto do gol de empate, o Monte Azul foi para cima, criando pelo menos dois momentos de perigo ao setor defensivo dos visitantes, como ocorreu aos 41 e 43 minutos, em jogadas que tiveram as participações de Rodrigo Alemão e Marcelinho, mas em ambas oportunidades, as conclusões não foram boas e, com isso as chances foram desperdiçadas.

Quando tudo indicava que o primeiro tempo terminaria empatado, eis que aconteceu o que poucos esperavam, ou seja, o Rio Branco virou o marcador, anotando o seu segundo gol, aos 44 minutos, numa cobrança de falta executada por Junai, deixando o goleiro Leandro Santos pregado no chão e, com isso, levou para o intervalo a vantagem de 2 a 1 para a equipe de Americana.


Segundo gol do Rio Branco marcado por Junai em cobrança de falta. Foto: Orlando Lacanna.

Ao longo do intervalo fiquei conversando com os repórteres e fotógrafos presentes e, a tônica da conversa foi que nada estava decidido e, com certeza os donos da casa viriam com tudo buscando desvirar o placar. O Monte Azul voltou rapidamente ao gramado e tão logo o árbitro autorizou o reinício da partida, saiu com tudo para cima do Rio Branco, chegando rapidamente ao empate, aos 5 minutos, num verdadeiro golaço de Bruno que acertou um torpedo de fora da área, colocando a bola no ângulo superior esquerdo de Cristiano, que voou bonito, mas nada pode fazer. Esse gol voltou a incendiar a torcida local que gritava sem parar, incentivando o seu time na busca pela vitória.


Golaço de Bruno no empate do Monte Azul. Foto: Orlando Lacanna.

A partida continuava num ritmo alucinante, quando, aos 11 minutos, o Rio Branco quase conseguiu ficar novamente em vantagem no marcador, numa outra cobrança genial de falta por intermédio de Junai, que obrigou o goleiro Leandro Santos a se esticar todo e fazer em leve desvio, o qual foi suficiente para a bola sair da sua trajetória e explodir contra o travessão, assustando a torcida do Azulão.


Defesa espetacular de Leandro Santos com a bola indo contra o travessão. Foto: Orlando Lacanna.

Refeito do susto, o Monte Azul continuou mandando na partida, empurrando o Rio Branco para o campo de defesa que, por sua vez procurava bloquear os ataques dos locais e sair em contra-ataques, porém essa estratégia não deu certo, pois a defesa do Monte Azul não dava espaço para os atacantes visitantes.

O tempo ia passando e nada do terceiro gol do Monte Azul acontecer e isso começou a angustiar a torcida da casa que já dava sinais de preocupações. Aos 32 minutos o estádio quase veio a baixo, com a marcação do terceiro gol do AMA, anotado, de cabeça, pelo ala Maurício que aproveitou um cruzamento da esquerda e, de peixinho, mandou a bola para o fundo do gol dos visitantes.


Gol da desvirada do Monte Azul. Foto: Orlando Lacanna.

A torcida enlouqueceu de vez, mas tomou outro susto aos 36 minutos, quando o meia Junai cobrou outra falta com perigo, com a bola passando muito perto. Aliás, vale ressaltar que o meia Junai do Rio Branco é um excelente cobrador de faltas.

Os últimos minutos foram dramáticos, pois aos 39 e 41 minutos, o Monte Azul chegou bem perto do seu quarto gol, em jogadas com as participações de Bruno e Alessandro Ferrari, mas novamente as conclusões deixaram a desejar. Finalmente, aos 45 minutos, o Rio Branco quase empatou numa cabeçada perigosa do centro-avante Lincon que passou por cima do travessão, quase matando do coração alguns torcedores do AMA.

Mais alguns minutos de sofrimento, mas finalmente a partida foi encerrada com o placar mostrando Monte Azul 3 - 2 Rio Branco que deu o título de Campeão da Série A2 ao time da casa, coroando uma campanhas espetacular de 17 vitórias, 6 empates e apenas 4 derrotas, num total de 27 partidas, conquistando 57 pontos e fechando com a melhor campanha entre todos os participantes. Foi um título merecido e, agora só resta reformar/ampliar o seu estádio para confirmar o acesso e fazer parte da elite do futebol paulista, juntamente com o Rio Branco (Vice-Campeão), Rio Claro e Sertãozinho que também participarão da Série A1 em 2.010.

Tão logo o árbitro encerrou a partida, começou uma grande comemoração, ainda no interior do gramado, se estendendo pelas arquibancadas e fechando com chave de ouro com o recebimento do troféu e das medalhas pela conquista. É claro que a tradicional volta olímpica não faltou.


Comemoração no interior do gramado.Foto: Orlando Lacanna.


Equipe do Rio Branco com o troféu de Vice-Campeão.Foto: Orlando Lacanna.


Atletas do Monte Azul comemorando a conquista.Orlando Lacanna.


Volta olímpica dos Campeões. Foto: Orlando Lacanna.


Mais uma pose do time Campeão ostentando as medalhas e o troféu. Foto: Orlando Lacanna.

Quero deixar registrados meus cumprimentos ao elenco do Monte Azul, sua comissão técnica, seus dirigentes e, em especial aos seus fiéis torcedores pela magnífica conquista que muito dignifica a cidade que conta com apenas 19.000 habitantes. Foi uma conquista memorável para todos da cidade.

Bem, depois de uma longa viagem, um jogo emocionante e uma comemoração efusiva, nada melhor do que um bom almoço numa churrascaria que me foi indicada por duas gentis senhoras que, além disso, ainda me deram uma carona até a Rodoviária local. Depois de comer muita carne, só me restava enfrentar mais quase sete horas de estrada no retorno para São Paulo. Foi uma viagem cansativa, mas valeu muito a pena, pois além do excelente jogo, conheci uma nova cidade e um novo estádio. Foi isso.

Abraços,

Orlando

Nenhum comentário:

Postar um comentário