Procure no JP

sexta-feira, 7 de março de 2008

Chapecoense segue na Copa do Brasil

Opa,

Fica difícil depois de um post e de um jogo como foi o do Juventus escrever qualquer coisa sobre uma partida de futebol, mais ainda quando ela não ajuda muito, mas mesmo assim agora conto a rodada noturna do JOGOS PERDIDOS na última quarta-feira. Saindo da Javari, o pessoal que esteve lá (Emerson, David e seu Natal) rumou até a Barra Funda para completarem a caravana comigo e com o Jurandyr, pois quarta à tarde significa trabalho para nós. Tudo para seguirmos num ritmo frenético até a cidade de Campinas para mais um jogo da Copa do Brasil 2008. A partida aconteceu no Estádio Brinco de Ouro e foi entre os times do Guarani e da Chapecoense.

A viagem foi rápida, mas o sempre insuportável trânsito de São Paulo nos impediu novamente de tirarmos as fotos oficiais, então coloquem a culpa nos 6 milhões de carros presentes nas ruas paulistanas e tudo fica perdoado. Bom, falando do jogo, era obrigatória a nossa presença por lá já que desde sempre simpatizamos com a equipe verde de Chapecó, e não teríamos como perder a chance de incluí-la na Lista.

E a partida seria complicada para o Guarani, já que no primeiro jogo, em Santa Catarina, a equipe foi derrotada por 3 a 1, e só a vitória interessava. O jogo ficava mais difícil ainda em virtude da campanha ruim que o Bugre faz no Paulistão. Na zona de rebaixamento, a Copa do Brasil era a última chance de tentar melhor sorte em 2008.


Visão geral de um Brinco de Ouro com pouco mais de 2 mil pessoas para ver Guarani x Chapecoense. Foto: Fernando Martinez.

O time até começou o jogo tentando impor um abafa no time de Chapecó, mas a pontaria do Bugre foi dando mostras que não estava nos seus melhores dias. Em duas chances claras de gol, em lances cara-a-cara com o goleiro catarinense, os atacantes bugrinos conseguiram o impossível e perderam a chance do primeiro gol. A torcida do Guarani até tentava incentivar o time, não deixando o time esmorecer.

A Chapecoense teve poucas chances e viu o Guarani perder mais gols ainda nos minutos finais do primeiro tempo. Depois de tantas chances perdidas, certa parte da torcida passou a xingar alguns dos atacantes que perderam tantos gols. E o jogo ficou sem a abertura de contagem nos primeiros 45 minutos.


Chegada do Guarani no primeiro tempo. Foto: Fernando Martinez.


Falta para o Guarani. Mas o dia não era para cruzamentos na área. Foto: Fernando Martinez.

No intervalo até tentamos curtir o famoso pastel das cantinas do Brinco de Ouro, mas o valor de R$ 2,50 e a preguiça-monstro de descer o tobogã do Guarani e enfrentar uma fila gigante falou mais alto e ficamos por lá falando as bobagens de sempre mesmo. E no segundo tempo o que todos temiam aconteceu: o Guarani não voltou com a mesma dedicação da primeira etapa e além de perder mais gols incríveis, a Chapecoense também passou a criar seus momentos. O goleiro Gisiel fez ótimas defesas e impediu que os visitantes abrissem o placar.


Mais uma falta para o Guarani no segundo tempo. Foto: Fernando Martinez.

Com o segundo tempo mais morno, o seu Natal aproveitou para dar uma dormidinha básica enquanto um gol não saía. Muito papo atrasado foi colocado em dia pelo pessoal do JP, inclusive com muitas teorias para a façanha juventina à tarde. Mesmo para nós que não estivemos lá, a emoção ficou à flor da pele. Mas no meio das conversas havia um jogo, e o Guarani tentava, tentava, mas deixava claro que poderia estar jogando até agora que não faria gol nenhum. E ainda por cima quando conseguiu fazer um, com o atacante Henrique, ele foi anulado pelo árbitro, bem no final do jogo.


O seu Natal capotado nas arquibancadas do Brinco e um novo termo da língua portuguesa: "Décifit"... pena que não o encontrei no Aurélio. Fotos: Fernando Martinez.


Mais uma visão geral, agora já da desclassificação bugrina. Foto: Fernando Martinez.

E pela quinta vez nos meus últimos 10 jogos vistos em estádio, a partida não teve a abertura de contagem. O placar final de Guarani 0-0 Chapecoense eliminou os paulistas, classificou os catarinenses para enfrentar o Inter de Porto Alegre e garantiu mais um time na Lista de todos nós.

Mas o que fica do jogo é a tristeza de ver o Guarani, Campeão Brasileiro de 1978, Vice-Campeão Brasileiro de 1986, Vice Paulista de 1988 e de outras tantas glórias, definhar de forma tão triste depois de tantos mandos e desmandos de administração. Dá saudade de lembrar o Brinco de Ouro lotado e com os times visitantes penando para conseguir um mísero empate contra o Bugre Campineiro.

Torcemos para que o time volte pelo menos a tentar ser o que já foi, mas a tendência é que as coisas piorem, com tudo o que ouvimos pela imprensa e nos bastidores... Mas esperamos realmente que o grande Guarani volte a ocupar o lugar que merece no futebol paulista e brasileiro.

Bom, depois do jogo penamos para conseguir um posto de GNV em Campinas com os caminhos perdidos do Jurandyr e voltamos animados e pensando já em próximas viagens...

Até mais

Fernando

Nenhum comentário:

Postar um comentário